Flyer online do Epílogo!

Pra usar no orkut, é só copiar e colar o endereço da imagem dentro do texto da mensagem quando escrever um recado:

http://img134.imageshack.us/img134/4020/epilogoflyeronline.jpg

Vamos divulgar nosso filme!

-Rômulo Zanini

Deixe um comentário

Arquivado em 1

Nova data de estreia!

 

Epílogo

Nova data de estreia "Epílogo"

 

Epílogo

Estreia:
27 de Novembro, sexta-feira, 20h
na Cinemateca de Curitiba
Rua Carlos Cavalcanti, 1174

Entrada Franca (apresentação do filme e coquetel)

 

-Fernanda Carolina

Deixe um comentário

Arquivado em 1

Dois dias de produção e ensaios…

…condensados em poucos segundos.

Dia 1:

Dia 2:

Olhando assim parece fácil, não?

-Rômulo Zanini

Deixe um comentário

Arquivado em vídeos

Epílogo

e.pí.lo.go masculino

texto que encerra uma obra literária;
o último acto ou cena de uma peça;
(figurativo) conclusão; fecho; fim:
Foi o epílogo de uma vida.

-Isabelle Mesquita

Deixe um comentário

Arquivado em opinião

A arte ao redor da câmera

w_DSC_5021

A emoção do cinema é acreditar na ficção, a arte é emocionar através dela. Quase como na literatura, mas apenas quase. Isso porque no cinema é possível e necessário explorar e trabalhar diversos ramos artísticos que apenas começam na parte textual. Mas, é preciso ter cuidado, pois, essa abrangência oferece muito mais elementos que podem tanto engrandecer quanto acabar com uma obra.

No Curso Prático de Cinema da Cinemateca estudamos separadamente cada segmento artístico do audiovisual. Com os professores Eduardo Baggio e Francisco Alves dos Santos aprendemos como uma invenção capaz de capturar imagens em movimento se transformou em um equipamento com o poder de contar histórias e percorreu o Brasil e o mundo transformando sua linguagem até se tornar o cinema que conhecemos hoje.

O professor de roteiro, Alexandre Tadeu nos mostrou que sem o roteiro não há filme, e que esse é um guia essencial para organizar o trabalho da direção. O cineasta Pedro Merege confirmou, e nos mostrou que um bom diretor tem que ter humildade e respeito, pois, está interligado com toda equipe e o andamento da produção depende de seu trabalho.

Com Ulisses Galetto descobrimos que o som cria toda atmosfera de um filme e que, quando mal trabalhado, pode fazer as melhores produções parecerem amadoras. O mesmo nos foi provado sobre a importância da fotografia, dessa vez na prática, com Celso Kava. Enquanto Fernando Severo nos mostrou que sem edição e montagem o cinema não seria nada.

Guto Pasko nos assustou quando falou sobre a difícil realidade de quem trabalha com cinema no Brasil, mas logo deu uma injeção de ânimo ao falar sobre a popularização do audiovisual através da tecnologia digital. Não demorou pra que comprovássemos, na prática, que fazer cinema não se resume a gravar em película, e que, com uma boa idéia e muita dedicação é possível fazer grandes trabalhos também em formato digital.

Quando começamos a produzir o curta formos orientados pelo Pioli (Geraldo) e pelo Marquinhos (Marcos Sabóia), e aos poucos passamos a entender melhor as dificuldades mencionadas nas aulas teóricas. Nesse momento compreendemos que a essência do cinema não é apenas aquilo que vemos nas telas, ou o que sentimos ao ver um filme. A magia do cinema está ao redor da obra final, em toda composição, em cada detalhe pensado e trabalhado visando emocionar o espectador, seja como for.

Ricardo Almeida

Deixe um comentário

Arquivado em opinião

Bastidores

A Malu fez esse videozinho bacana com fotos da produção do filme. Já pra começar a ter um gostinho do making of…

Valeu, Malu!

-Rômulo Zanini

2 Comentários

Arquivado em vídeos

“Produçãããããããããão!!!”

tachinhas

Ah… Se por cada vez que escutei chamarem “Produçããão!” eu tivesse ganho algum dinheiro… Eu seria uma das mais ricas desta produção cinematográfica!!

E afinal, o que faz a tal da bendita produção? Conforme o Guto Pasko nos ensinou, pra começar bem direitinho, e numa grande produção cinematográfica, a produção deve ser dividida em produtor, co-produtor, produtor associado, produtor executivo,  diretor de produção, coordenador de produção, assistente de produção, produtor de platô, 1º assistente de platô, 2º assistente de platô, 3º assistente de platô, produtor de pós-produção, produtor musical, apoio de set e quem sabe ainda um produtor de locações. Isso tudo, como eu já disse, em grandes produções cinematográficas… Tá… Esquece… Esse não é o nosso caso… Com relação a verba que tínhamos, esse não é o nosso caso… Mas, se formos ver pela dedicação e doação de toda a equipe, tínhamos uma coisa bem maior do que uma grande produção cinematográfica, não é verdade?

Resumindo, o que pude aprender nesse set, é que a produção basicamente se encarrega de executar o que a arte solicita, como foi o caso das tachinhas na máquina de escrever do escritor: a direção decidiu que queria mostrar o bloqueio do escritor. Essa é a parte estratégica; a arte pensou em uma maneira de transmitir isso e viu que, mostrando tachinhas na máquina de escrever passaria a mensagem que o escritor estava bloqueado. Essa é a parte tática; e a produção fez o que? Foi lá e comprou as tachinhas! A parte operacional! =D

Claro que na nossa produção, que ainda está longe de ser Hollywoodiana pelo tamanho e outras coisas, as tarefas se tornam mais simples, porém, não menos árduas. A produção também se encarregou de comprar frutas, água, café, chá, bolachinhas, limpeza do local, pela produção e desprodução do cenário e etc.

Mas, no final, mesmo não tendo muito dinheiro no bolso por ter escutado “Produçããão!” a toda hora, quem disse que não estou rica? Estou sim, rica pela experiência que foi conviver com todos vocês, aprender coisas novas, lidar com pessoas, me envolver em quase todos os estágios da criação deste nosso filhinho que está chegando aí, no dia 30 de outubro! Obrigada a todos vocês com os quais eu tive oportunidade de aprender e transmitir muita coisa!!

-Fernanda Carolina

(fernandacpo@gmail.com)

Deixe um comentário

Arquivado em opinião